Espro - Ensino Social Profissionalizante

Educa, Transforma, Inclui.

São Paulo (Matriz) Tel. 11 2504-1174

  • São Paulo (Matriz) Tel. 11 2504-1174
  • Rio de Janeiro Tel. 21 3513-6400
  • Belo Horizonte Tel. 31 3506-1900
  • Brasília Tel. 61 3226-1512
  • Curitiba Tel. 41 2107-0500
  • Recife Tel. 81 3424-8166
  • Salvador Tel. 71 3027-5023
  • Campinas Tel. 19 3722-0004
  • Porto Alegre Tel. 51 3085-5707
Início do conteúdo

29/Fev/16 - De Olho no Futuro: Ciências Contábeis, muito mais do que um contador!

Graduação em Ciências Contábeis pode ser opção para quem busca colocação nas melhores empresas de consultoria ou pretende atuar como auditor

Tem afinidade com os números e gosta de Economia? A graduação em Ciências Contábeis tem passado por atualizações que valem a pena serem conferidas. Não é muito comum alguém dizer que quer seguir carreira na área contábil. Porém, as novas formatações do curso oferecidas no mercado estão atraindo um público competitivo, por conta da gama de opções em colocação, incluindo até as grandes empresas do segmento de consultoria, entre elas, as multinacionais. Algumas instituições deram uma boa repaginada na graduação para torná-la mais atrativa e estão oferecendo cursos bem mais abrangentes. 

“Nos últimos oito anos, a profissão passou por uma certa guinada, principalmente em termos de competitividade no mercado, que hoje busca por profissionais bem formados. Então, aqueles que começam a entender essa movimentação, já buscam cursos como o que oferecemos, que é um pouco diferenciado da média geral. Somos a única instituição no Brasil, por exemplo, a adotar o currículo de Contador Global, sugerido e reconhecido pela ONU”, comenta Valceniro Nossa, Coordenador do curso de Graduação em Ciências Contábeis, da FUCAPE Business School, em Vitória (ES). 

Muito além da calculadora

Aquela imagem de que o contador é aquele senhorzinho que fica o dia todo sentado em uma mesa fazendo cálculos ficou no passado. Hoje, o graduado em Ciências Contábeis está mais presente nas grandes empresas atuando diretamente em áreas estratégicas como Planejamento, Custos e além disso, podem ser auditores ou especialistas em toda a parte tributária ou ainda, se já tiver alguma formação em Direito, atuar na área jurídica como perito contador.  Não estão descartadas, as opções professor e pesquisador. Segundo o coordenador há um leque de opções de atuação no mercado, basta saber se preparar. 

“Houve a mudança conceitual nas escolas, o que automaticamente impactou na mudança da atuação conceitual de um contador. Um segundo ponto dessa atualização está relacionado a toda a parte tecnológica. Uma delas é a de como temos enviado informações para o Governo, ou seja, a cada ano há uma inovação no processo de Declaração de Imposto de Renda e sempre haverá um profissional de contabilidade para a gestão disso tudo. Logo, para os bem formados, sempre haverá um mercado gigante. Os alunos que estão seguindo pelo menos uma formação média, não ficam sem emprego. Consequentemente, o profissional que tiver uma boa base econômica, vai conhecer o mercado e será mais parceiro do administrador da empresa fazendo-o enxergar oportunidades e ganhos”, aponta. 

Mercado 

Até aqui já sabemos que há mais demanda de vagas do que oferta de alunos. Porém, na FUCAP, por exemplo, onde o curso tem integração com as graduações em Economia e Administração, até o segundo ano, já é muito comum, os alunos migrarem para Ciências Contábeis, diante das possiblidades profissionais. “Temos um grupo de 400 alunos nos três cursos. A cada ano, na formatura, todos já estão colocados no mercado. No ano retrasado, dois deles conquistaram vagas na PriceWaterHouseCoopers, ao concorrer em um processo seletivo com mais de 18 mil candidatos. Isso mostra que o curso tem levado a uma certa competição no mercado”, destaca. 

O coordenador ainda aponta para a questão de que a contabilidade é uma área que está dentro do contexto de negócios e que o contador é peça importante para a elaboração de estratégias que evitem expor a empresa em qualquer situação de risco. “O setor contábil de uma empresa é gerador de informações para tudo isso. Olhando para frente, como sabemos que as empresas têm um nível de competitividade muito grande, muito maior será a necessidade de um profissional de contabilidade. Estamos no momento em que a demanda por informações é cada vez maior e esse especialista será o intermediador”, conclui Nossa. 

 

29/Fev/16 - Sustentabilidade: Projetos Educacionais contam com a tecnologia como aliada para levar informação a todos

Curso gratuito de inglês contribui para a democratização do ensino do idioma no Brasil e países de língua hispânica

A tecnologia tem facilitado, a cada dia, a vida de todo mundo. Por meio dela é possível se conectar com o mundo ou universo. Claro que, muitas coisas ruins também ocorrem por conta da tal facilidade que temos para acessar tudo e todos, a qualquer momento. Porém, mesmo com um cenário de invasões digitais, hackers e afins, ainda há esperanças no mundo virtual. Um grande exemplo, são as start ups que estão surgindo com programas e projetos sociais e educativos para que todos tenham acesso, utilizando a internet para a implantação de suas plataformas. Por meio da internet é possível achar uma infinidade de projetos educacionais, por exemplo, que vão desde cursos de inglês, preparação para concursos e muitas opções em comunicação e conhecimentos gerais. No Brasil há muitos projetos, inclusive criados por jovens que, de tão ousados, são capazes de proporcionar uma bagagem de conhecimento, sem custo algum e com o mesmo nível daqueles que são oferecidos em escolas reconhecidas. 

Os programas oferecidos gratuitamente são criados, geralmente para atender um público que não tem acesso à informação, mas que precisa de conhecimentos para pelo menos tentar uma colocação no mercado. Entre milhares de opções com foco em Educação está o projeto Você Aprende Agora, uma plataforma online para quem quer aprender a língua inglesa, sem pagar nada e ainda poder utilizar o idioma a favor da carreira! O projeto foi fundado, logo após o jovem empresário e professor Felipe Dip sobreviver a um grave acidente de carro. “Troquei um carro pelas primeiras 350 aulas, já que ficaria em uma cama sem mexer as pernas por alguns meses, e depois usei todo (o pouco) dinheiro que eu tinha na minha poupança. Quando acabou o dinheiro, eu comecei a pensar em opções VIP para que o curso fosse sustentável”. 

O curso é gratuito, assim como acesso a todo o material, do nível básico ao fluente. São mais de 700 aulas de inglês em vídeos disponíveis no Youtube com cerca de três minutos de duração cada. Toda a metodologia é de ensino rápido e tem como referência teórica a Cambridge University. Confira a aula número 1:

 

 “O Você Aprende Agora foi a forma que eu encontrei de agradecer e devolver para a sociedade o milagre da minha vida depois dos sustos passados com o que eu sei fazer de melhor, que é ensinar inglês. O que eu quero com isso é poder fazer a diferença na vida das pessoas, com um serviço de qualidade. Deixei para trás a ambição de ser milionário em troca da consciência do meu compromisso social”, ressalta Dip que se dedica 100% para que o projeto possa impactar mais pessoas e tornar a língua inglesa “cada vez mais democrática”. 

A página do curso, já atinge a marca de 14,5 milhões de aulas assistidas por alunos em mais de 180 países e ainda conta com uma versão para nativos do idioma espanhol, o Tú Aprendes Ahora e já é adotado pelo sistema público de ensino em países com Uruguai, Venezuela, Paraguai e República Dominicana. “Tenho em meus planos conseguir implementar o Você Aprende Agora na rede pública de ensino no Brasil e expandir para países como o México, Rússia, Índia e China. A ideia é conseguir atingir o maior número de pessoas possível e mudar suas vidas para melhor”, completa Felipe Dib.

29/Fev/16 - Dica Cultural: Eu sou Malala

A história da garota que defendeu o direito à educação e foi baleada pelo Talibã 

Em 2012, com 15 anos, a paquistanesa Malala Yousafzai sofreu uma tentativa de execução. Ela estava dentro de um ônibus voltando da escola, quando homens entraram no veículo perguntando por ela. Logo após alguém apontar para Malala, ela foi atingida por um tiro à queima-roupa na cabeça. Homens do Talibã foram responsáveis pelo ataque à menina frágil, porém de personalidade firme que lutou por seus direitos para não deixar de frequentar aulas na escola (o Taliban havia proibido a presença de mulheres nas escolas, entre outras coisas). Muitos dizem que a recuperação dela foi algo milagroso. A menina foi reconhecida mundialmente e já ganhou um Prêmio Nobel da Paz, em 2014, por conta de sua história e luta. 

Hoje, aos 19 anos, ela é ativista e recebeu milhares de outros prêmios e reconhecimentos pelo mundo, devido a sua luta pelos direitos das mulheres. A leitura de Eu Sou Malala é também uma verdadeira aula de história sobre a tomada daquele território pelos Talibãs, onde ela nasceu e viveu, no Paquistão. 

EU SOU MALALA - A história da garota que defendeu o direito à educação e foi baleada pelo Talibã 

Malala Yousafzai e Christina Lamb

Selo: Companhia das Letras

29/Fev/16 - Fala, Aprendiz! Gabriely Correia de Oliveira conta como chegou até a AON

Ela só queria encontrar um trabalho “perto de casa” e foi efetivada em uma das maiores empresas do segmento de seguros

Em 2014, a jovem Gabriely estava com 17 anos e pensava de que forma ingressar no mercado de trabalho. Até que um primo comentou sobre o Espro. Ela procurou informações e ficou sabendo que ocorreria um processo seletivo para participar de um curso patrocinado pela AON, empresa localizada na zona sul, mesma região onde ela mora. “Eu já tinha chegado ao ponto em que, independente de distância da minha casa, eu precisava fazer algo para conseguir um emprego. Então, lá no Espro, eu fui orientada a participar do processo seletivo para uma vaga para no curso. Fiz a inscrição e, logo depois da entrevista, eu fui aprovada”, conta.

A jovem participou da primeira turma patrocinada pelo Instituto AON e logo que concluiu foi contratada para atuar como Jovem Aprendiz na AON, assim como 11 de seus colegas de turma. “Confesso que eu não colocava muita expectativa por não conhecer a metodologia do Espro. Depois, eu passei a gostar muito. Tudo no curso me surpreendeu. A forma como a instrutora direcionou o conteúdo também foi muito importante para abrir nossas mentes. Uma capacitação sem custo algum para nós com um conteúdo tão rico”, destaca. 

No ambiente corporativo

Gabriely foi efetivada na AON, em novembro do ano passado, na área comercial. Segundo ela, mesmo desde os tempos de Jovem Aprendiz, o relacionamento com os colegas de trabalho e gestor sempre foi muito bom. “O relacionamento com todos foi o melhor possível. Eu fui muito bem recebida e só tenho coisas positivas para falar. Até hoje, sempre que tenho alguma dúvida, eles me amparam em tudo o que eu precisar. Todos aqui estão sempre sorrindo e de braços abertos. O clima é maravilhoso. Sem contar que sempre sou envolvida em projetos e me ensinam cada vez mais! ”, aponta ela que ainda não sabe o que seguir como carreira, mas diz que busca atualizar-se para não perder tempo e obter cada vez mais conhecimento. Iniciou um curso técnico na área de seguros e também tem buscado inspiração e informação com os colegas de trabalho para decidir o futuro. 

Ela mora zona sul e divide as despesas de casa com a mãe, que é empregada doméstica, e um irmão. “Minha mãe é uma grande incentivadora. Ela é minha parceira e me ajudou muito a me preparar para as entrevistas. Ela ficou muito feliz, principalmente quando eu fui efetivada. De qualquer forma, eu estava muito tranquila porque a bagagem com a qual saí do curso eu tinha a certeza de que conquistaria uma colocação no mercado”.

Gabriely comenta que faz o possível para que mais jovens tenham acesso e conheçam o trabalho realizado pelo Espro. Sempre que pode, ela indica que busquem informações sobre a instituição. “Eu procuro passar sempre adiante a minha experiência. Não esperava chegar onde estou e acho fantástica essa preocupação do Espro, assim como a parceria que mantém com as empresas para direcionar os jovens. Desta forma, nos sentimos reconhecidos e isso é muito importante para o nosso desenvolvimento. Vejo a ação como uma baita oportunidade para todos e ela deve ser agarrada, pois não é sempre que nos chegam coisas tão boas assim”, conclui. 

29/Fev/16 - E aí, Instrutor? Pablo Bispo, adota linguagem e a realidade dos jovens em suas aulas, incluindo música, redes sociais e atividades lúdicas

Roteirista, compositor, palhaço e instrutor. Esse é Pablo Bispo do Espro Rio de Janeiro

 

De Olho no Pablo!

Sua história no Espro começou quando durante uma palestra que ele fazia no banco Santander, uma Jovem Aprendiz o convidou para participar da semana De Olho no Futuro, evento em que profissionais falam sobre trajetória, profissão e carreira para os jovens. Todos ficaram tão encantados que, assim que surgiu uma vaga de instrutor na filial, eles fizeram um abaixo-assinado para que Pablo fosse contratado. “Eu me senti muito bem quando soube da mobilização, sinal de que gostaram. Participei de entrevistas com a gestora e fui aprovado. A primeira coisa que disse foi: “sou diferente”, porém igual aos jovens. Uso a linguagem deles em sala de aula. Gosto muito de dialogar de igual para igual. A aula tem sempre um pouco de humor e minha atuação com eles é bem lúdica. Cada jovem tem uma história que podemos levar para as aulas e desta forma, eles prestam atenção no conteúdo e querem ouvir cada vez mais”, destaca. 

Porém, como Bispo reforça, uma coisa é ministrar uma palestra e outra é dar aula. Para fazer com que todos se interessem, ele inova a cada momento. Utiliza recursos que vão de animação com fantoches, música (ele é compositor e tem hits ‘bombando’ nas vozes das cantoras Anitta, Ludmila, entre outros intérpretes) a experiências nas redes sociais. “Minha atuação com eles é lúdica, mas respeitando sempre o conteúdo do curso. Já levei fantoches para falar de sexualidade e, para o módulo de digital, nós criamos uma página no Facebook que chamamos de Profs, como sou chamado por eles, onde compartilhamos todas as nossas atividades para que as discussões iniciadas em sala de aula possam continuar ali. Costumo dizer que não dou aula, mas inspiro aqueles jovens. Minha função é a de abrir as cabeças deles e mostrar que sim, são seres pensantes”, explica. 

 

No mês de janeiro, em uma aula sobre digital, ele propôs aos alunos um desafio para mostrar que, tudo o que é postado nas redes sociais pode tomar proporções inimagináveis em velocidade incrível. Publicou uma foto dele segurando uma cartolina com a mensagem em português e inglês: “Sou um professor do Rio de Janeiro, tentando mostrar para as minhas turmas o quão rápido uma mensagem pode se propagar pela internet. Por favor curta, compartilhe e comente com a sua localização”. Em 48 horas, já somavam aproximadamente 3 milhões de visualizações, 30 mil likes, mais de 20 mil comentários e 19 mil compartilhamentos. Hoje, já passou de 8 milhões. “O Profs é um projeto experimental com os alunos e eu ou utilizei para mostrar os cuidados que devem tomar cuidado como o que postam e quão perigoso é publicar nas redes sociais”. 

O instrutor Pablo ou Profs, não esconde o prazer que sente em fazer parte desta fase em que todos estão praticamente aprendendo tudo sobre o mundo do trabalho, entre outras coisas. A cada aula, ele diz se sentir realizado e com a sensação de missão cumprida. “Muito bom participar desse momento deles. Faço o que posso para ajudar. Sempre trocamos ideias e informações, principalmente sobre a rotina nas empresas.  Consegui potencializar o que tenho e faço tudo de peito aberto. Eu amo estar ali com eles podendo fazer a diferença para quem está começando no mercado de trabalho e, daqui a pouco, eu vou ver todos eles crescendo. Saio de casa feliz para falar com eles. Tenho a certeza de que, ao final do curso, todos estarão prontos profissionalmente e pessoalmente para enfrentarem o mundo”, conclui. 

Fim do conteúdo (Clique neste link para voltar ao início do conteúdo) Voltar ao topo da página (Menu principal)