Espro - Ensino Social Profissionalizante

Educa, Transforma, Inclui.

São Paulo (Matriz) Tel. 11 2504-1174

  • São Paulo (Matriz) Tel. 11 2504-1174
  • Rio de Janeiro Tel. 21 3513-6400
  • Belo Horizonte Tel. 31 3506-1900
  • Brasília Tel. 61 3226-1512
  • Curitiba Tel. 41 2107-0500
  • Recife Tel. 81 3424-8166
  • Salvador Tel. 71 3027-5023
  • Campinas Tel. 19 3722-0004
  • Porto Alegre Tel. 51 3085-5707
Início do conteúdo

29/Jan/16 - Dica Cultural: Diário de Anne Frank

A dica deste mês é referente a um clássico que pode ser encontrado em bibliotecas, sebos e, se você tiver muita sorte, em uma livraria para abrir e sentir o maravilhoso cheiro do papel e da tinta, antes de ‘devorar’ o exemplar. Trata-se do Diário de Anne Frank, um dos mais lidos e essencial naquelas listas para ‘ler antes de morrer! ’.

O livro foi escrito a partir das anotações da adolescente judia Anne, que ficou durante dois anos vivendo em um esconderijo com sua família com o objetivo de não serem capturados pelos soldados nazistas e levados para um dos terríveis campos de concentração. 

A leitura proporciona conhecimento sobre o que foi a Segunda Guerra Mundial, principalmente para os judeus e também leva ao entendimento daquele contexto histórico através do olhar da garota.  Mesmo em meio a toda aquela confusão, ela registrou em seu diário, os conflitos de adolescência, entre outras memórias e inquietações. 

Dica quente! Lista da Time 

A revista americana Time listou, em 2015, Os 100 Melhores Livros para Adolescentes. Vale a pena conferir os títulos, pois muitos deles foram publicados também no Brasil e podem ser encontrados facilmente. Há sugestões muito interessantes de clássicos da literatura mundial. Copie a lista, compartilhe com amigos e prepare seu roteiro de leitura!!

 

29/Jan/16 - Comportamento: Depressão encabeça a lista dos conflitos mais frequentes na adolescência

Ansiedade, mau humor, irritação com tudo o que os pais dizem...esses são alguns dos distúrbios emocionais apresentados na adolescência. Você sabe por que eles ocorrem? Pelo simples fato do não entendimento, por parte dos jovens, das mudanças que ocorrem nesta fase da vida. “Quando somos crianças, as coisas parecem se resolver por si mesmas. Então, o futuro parece ser algo muito distante ainda. A adolescência marca a chegada dele. Mudam as exigências, interesses e os pais não sabem como lidar porque para eles, o filho adolescente vai ser sempre uma criança. Essa sensação de incompreensão presente em casa, já passa a ser o primeiro conflito”, explica o psicanalista Paulo Miguel Velasco

“A chegada das responsabilidades pode acabar gerando as alterações emocionais presentes na adolescência. Até então, tudo era resolvido pelos pais. Quando atingem a adolescência, a preocupação com os estudos, carreira e até mesmo as primeiras paixões e desilusões amorosas geram a sensação de desespero e eles acabam se sentindo perdidos. Tudo é envolto em incertezas e o jovem se vê sozinho, o que o faz muitas vezes recorrer à internet em busca de respostas, ao invés de se abrir com os pais ou demais familiares próximos”, comenta. 

Diante deste cenário, o especialista alerta para os riscos de ele se tornar uma pessoa introspectiva demais preferindo até o isolamento em seu quarto. Este comportamento pode desencadear uma depressão. “Em cada cinco adolescentes, três são depressivos. O distúrbio já é considerado hoje, a terceira doença mais frequente no mundo e pode ocupar o primeiro ou segundo lugar, daqui 10 anos. Ela se alastra como uma virose e não escolhe classe social.  Simplesmente vem, chega e se instala”, alerta. Velasco ainda reforça sobre os quadros de ansiedade e os transtornos do pânico, alimentar (anorexia e bulimia) e obsessivo compulsivo engrossarem a lista dos conflitos que começam a aparecer na vida do adolescente, a partir dos 12 anos.

O papel da família

O fato de não compartilharem as aflições, inquietações e demais sentimentos com os pais, pode causar sérios danos na idade adulta, pois como disse o especialista, se não resolvidos no momento correto, os conflitos não cessarão na transição para a vida adulta e atingirão estágios de traumas e complexos seríssimos que deverão ser tratados com a ajuda de um especialista. Por isso que eu sempre insisto na questão de que os pais precisam aprender uma nova forma de lidar com os filhos, porque eles também ficam perdidos. Se veem na seguinte situação:  “E agora, o que fazer e onde levar meu filho para saber o que ele tem? Pediatra já não posso mais! ” A procura por um profissional de saúde mental é a decisão mais indicada. Ele não cuida somente de loucura, mas sim de comportamentos. "A grande dúvida é se os sentimentos são normais ou desajustes e o profissional pode ajudar a responder essa e outras questões. Como já foi dito, a insatisfação e os conflitos dos jovens com vários aspectos da própria vida podem eclodir na vida adulta. Portanto, tratá-los enquanto há tempo é o melhor que se tem a fazer. Nesse momento, a família tem papel fundamental.”, aconselha. 

Em suma, o grande problema dos jovens é a falta de informação, até mesmo para os conflitos que aparecem na transição para a adolescência. Os pais, sempre muito ocupados, não chegam a perceber que o filho precisa de ajuda e este acaba buscando repostas na escola, com os professores, sempre grandes aliados e confidentes que, por viverem no universo dos jovens, já sabem como lidar com a situação e falam de igual para igual. 

“Diante de tudo, eu digo que os conflitos e incômodos dos adolescentes são muito importantes para que eles possam conhecer o lado sombrio da vida. Não é uma tarefa fácil, mas depois do furacão, ele vai aprender a valorizar algumas coisas na vida. Quanto aos pais e familiares, esses devem prestar mais atenção para agirem da forma correta. Os pais devem orientar, principalmente nas questões sobre sexualidade. Quando começam a aprender a lidar com tudo isso, os filhos ficam mais fortes”, orienta Velasco.

29/Jan/16 - E aí, instrutor? Disciplina rígida e coração na causa

Depois de 30 anos dedicados ao Exército Brasileiro, o paulista Assis Scomparin foi para a reserva como subtenente de infantaria e escolheu a cidade de Fortaleza para se instalar e matricular os filhos em um colégio militar da capital. Desde então, já se somam 15 anos em que se tornou “cearense por opção”, como ele mesmo diz. No Espro há dois anos, ele é o técnico de Treinamento Administrativo responsável pela unidade de atendimento em Fortaleza

“Eu sempre trabalhei com jovens, mesmo durante minha passagem pelo exército. Fazia o recrutamento deles para o serviço militar o que facilitou muito a minha atuação como professor e instrutor, pois eu já sabia lidar com eles. Fui professor e coordenador pedagógico na Microlins, aqui na cidade, exatamente onde o Espro está instalado. Então, quando surgiu uma vaga na instituição, eu fui indicado. Enviei meu currículo para a filial Recife e logo fui contratado”, conta. 

Além da rotina administrativa da unidade, Assis é instrutor de duas turmas do Programa Jovem  Aprendiz, somando 50 jovens. Segundo ele, a relação é de pai para filho com eles e mantém muito foco na disciplina, algo ausente na maioria dos jovens hoje. “Eu tomo conta de todos eles e também dou os ‘puxões de orelha’ necessários. Todos me perguntam sobre como é a rotina no quartel e eu faço questão de dizer como funcionava. Ilustro muito com os casos de transgressões disciplinares, quando até uma multa de trânsito que um soldado recebia no quartel prejudicava os demais para dizer que em algum momento, todos pagarão pelo erro de um. Porém, o importante é sempre mostrar qual a forma certa de agir. Chamo muito atenção, por exemplo, para o fato de que todos precisam preencher a Folha de Ponto, pois esta é uma das regras do curso. Se um fizer corretamente, os demais o seguirão. O bom contamina o ruim! ”, explica. 

Transformação de vidas

Para o oficial de reserva, atuar com os jovens e poder fazer parte do processo de transformação nas vidas deles é algo que também o motiva, pois muitas vezes os vê iniciando o curso sem expectativas e, ao final da capacitação, a maioria já está bem encaminhada profissionalmente. “Muito bom ver a evolução. Tenho uma turma hoje com 98% cursando faculdade. Sempre sinalizo a importância dos estudos e reforço para que nunca parem. A maioria conquista vagas muito boas no mercado. Esses jovens precisam aproveitar ao máximo este momento e a oportunidade que é dada, principalmente aqui na região Nordeste”, comenta.  

“Fazer parte desta rede de transformação do Espro é para mim como um projeto de Deus em minha vida. Me sinto orgulhoso em poder trabalhar com esses jovens e os entregar para a sociedade de outra forma, ou seja, com objetivos e vontade de ser alguém na vida. A missão da instituição é essa e eu só posso estar feliz em poder contribuir. Fiquei muito contente em conhecer a grandeza deste projeto. Minha missão aqui é direcioná-los”, conclui. 

Além do Espro, ele também é professor de Ciências Contábeis, Direito e Auditoria nos cursos de Graduação e Pós-graduação, da Faculdade Stella Maris, lá mesmo em  Fortaleza. Tem como hobby buscar novidades em livros e filmes para levar aos alunos. Também gosta de ficar em casa com o filho caçula, com pouco mais de dois anos. 

29/Jan/16 - Sustentabilidade: Sites de Voluntariado

A maneira como as pessoas se comportam nas redes sociais tem gerado muitos comentários, opiniões e situações negativas. Grande parte dos usuários, não sabem utilizar a ferramenta e acabam transformando a página pessoal em verdadeiro ‘depósito' de posts sem a menor utilidade e compartilham notícias sem checar se são verdadeiras ou falsas. Essas pessoas não têm a menor ideia da mobilização que podem causar e do tamanho da rede que podem criar, em prol de uma causa séria, a partir de uma página no Facebook, Instagram, entre outras. 

Aqueles que já tiveram a sacada, acabaram criando páginas com objetivo de ajudar alguém, uma instituição ou até fazendo disso um negócio. Há também aqueles que, a partir de uma experiência pessoal lançaram campanhas e ações para ajudar pessoas que compartilham de um mesmo problema ou situação. Parece que tem dado certo! São inúmeros os casos em que, a partir de uma página ou post que acabou atingindo milhares de pessoas e aproximando outras. Como não há fronteiras na internet, as chances de uma ação ‘viralizar’ e atingir o objetivo inicial são quase garantidas!  

Há casos em que pessoas se especializam na criação de plataformas online para facilitar ações como de empresas que não contam com uma equipe que tenha o know how na organização de campanhas pontuais, por exemplo. “Não há dúvida alguma, de que a internet é a forma mais eficaz hoje de mobilizar as pessoas. A grande sacada é utilizar mesmo as mídias, redes pessoais online em geral para trazer os movimentos. Quando conseguimos utilizar esses meios para as causas, atingimos um número muito grande de pessoas e em locais diversos. Se as grandes marcas fazem uso estratégico para atingir os consumidores, por que não o fazemos também? ”, comenta Bruno Tataren, co-fundador do site Atados que foi criado há três anos, como objetivo de conectar pessoas para o bem. 

Atados é um portal de voluntariado. Nele é possível encontrar vagas, trabalhos de voluntários, a partir de características diferentes e ainda projetos para apoiar. Hoje são mais de 450 ONGS de causas diversas hospedadas no site, com abrangência nas cidades de Brasília, Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo. “Atingimos uma fatia bem jovem da população. Realizamos um trabalho forte para criar essa cultura do voluntariado nas camadas mais jovens e temos conseguido atingi-los. Por isso atuamos em etapas diferentes, desde de provocar, de dar like, conhecer, saber da possiblidade de engajar até ir para a vida real colocar em prática, colocar a mão na massa”, comenta Tataren. 

Clique do Bem! 

Entre os casos mais recentes está a história de Priscila Fiorin, mãe da pequena Catarina, que nasceu com uma doença congênita denominada atresia (falta de conexão do esôfago superior ao esôfago inferior e estômago) que a deixou 28 dias em uma Unidade de Terapia Intensiva - UTI Neonatal, logo que nasceu. A bebê está prestes a completar um aninho de vida, porém, ao invés de fazer aquela festa cheia de pirotecnia, seus pais decidiram mobilizar todos os amigos do Facebook para ajudar uma garotinha de três anos com paralisia cerebral que precisa de um tratamento com custo aproximado de R$ 11 mil para que possa trabalhar a resistência muscular e, consequentemente, andar. 

Por meio da página do Clique da Esperança, eles criaram um evento de aniversário da filha e, desde então, todos os amigos abraçaram a causa. Em seis dias de evento, as arrecadações já somavam cerca de R$ 7mil. “Eu queria ter um projeto meu para ajudar as mães que tiveram filhos com atresia. Foi quando li uma matéria na revista Veja, ano passado, que citava o Clique da Esperança. Pesquisei a página deles, entrei em contato com os responsáveis e pensei em usar toda a minha rede de contatos para promover o projeto. Apostei nas doações com a meta de arrecadar R$ 3 mil, em um mês e, antes disso, já foi superada. Não imaginávamos que teríamos todo esse engajamento. Tem até amigos de fora do país contribuindo e, se continuar assim, nós vamos conseguir ajudar outra criança”, conta Priscilla. 

Sites como o que Priscilla escolheu para realizar a ação são muito comuns atualmente. Basta ‘dar um Google’ que virão milhares deles com abordagens diversas. Para ajudar, é só escolher e se identificar com uma causa ou instituição. Porém, vale pesquisar se as informações e os projetos são verdadeiros. Desta forma evitará cair em um golpe ou ser enganado por pessoas que disseminam ações mentirosas, algo comum nas redes. 

Aplicativo do Bem

Seguindo a onda do ‘clicar para fazer o bem’, uma start up brasileira criou o Chance,  plataforma que também auxilia a aproximação de pessoas por meio da disponibilização de um APP que facilita a realização de doações para entidades filantrópicas. Por meio da ferramenta é possível buscar e selecionar a instituição para qual querem fazer sua doação financeira pelo celular. O aplicativo está disponível gratuitamente para download aqui nas versões Android e iOS

29/Jan/16 - De Olho no Futuro: Gestão da Tecnologia da Informação exige disciplina e atualização constante

Gosta de jogos on-line , tem afinidade com números e cálculos e acredita já ter os requisitos para seguir carreira em Gestão da Tecnologia da Informação? Então, leia esta matéria!

Leitura e pesquisa são essenciais para crescer na área. 

Atualização constante é o segredo para o sucesso do profissional da área de Tecnologia da Informação. Muito confundidos nas empresas e tratados como ‘o pessoal que conserta tudo do computador’, as pessoas que escolheram TI para seguir carreira foram o parecem ser os que mais se deram bem, pois sempre haverá colocação no segmento. “A demanda sempre foi muito favorável e, excepcionalmente agora, em momento de crise e revisão de planejamentos, as empresas buscam cada vez mais pessoas aptas para organizar e gerir toda a infraestrutura de TI. Os negócios são suportados pela tecnologia da informação e nada é possível sem ela”, destaca Adilson Ferreira da Silva, coordenador da graduação em Gestão da Tecnologia da Informação da Faculdade Impacta Tecnologia.

Segundo o coordenador, muitos jovens procuram o curso com a ideia de que será algo lúdico. Porém, a realidade é outra. Um aluno do curso de TI deve ter, primeiramente, disposição para estudar e se atualizar sempre. “A tecnologia está sempre em processo de mudança e transformação. Então, quem pretende seguir carreira na área deve ser uma pessoa com muita vontade de pesquisar novos recursos, além de ser bastante exigente”.

Aquela história de que precisa ser o ‘diferentão’ em matemática e programação é mito! Silva aponta para a importância de gostar de coisas novas e inovar todos os dias. “Não há um pré-requisito para iniciar um curso na área. O importante é ter aptidão para estudar. Outra questão muito importante é a de lidar com pessoas, ou seja, saber ouvir e falar. O profissional de TI não pode, de forma alguma, levar tudo para o lado pessoal. Ele deve estar muito atento para não permitir que fatores emocionais atrapalhem as questões técnicas. Se tem controle e maturidade, já somará pontos favoráveis ao sucesso”, alerta. 

O professor ainda aponta para a curiosidade de que o curso de Gestão em Tecnologia da Informação tem recebido muitas mulheres, atualmente. Também é muito comum encontrar no curso, pessoas que pretendem ser líderes ou as que já têm empresas de TI e buscam capacitação para cuidarem do próprio negócio. 

Mercado

Silva apontou para a situação de que, o número de pessoas formadas é inferior ao de vagas no mercado. Por isso, as salas de aula dos cursos em TI estão cada vez mais lotadas e, quem procura são pessoas de perfis diversos. “Vai ter colocação sempre. Os alunos que estão iniciando, já conseguem estágio, ainda no período da graduação. Hoje é muito raro ver um aluno concluir o curso, sem colocação. Se ocorre é por opção, pois muitas vezes, já tem profissão em outra área e se depara com um dilema de ter que tomar a decisão de abrir mão do que já tem para iniciar como estagiário em outra empresa”, conta. 

Entre as possibilidades de atuação no mercado, as opções são desde lecionar a atuar como consultor no desenvolvimento de software em TI, no suporte técnico, em centros de processamento de dados cuidando de redes, servidores etc. Outra área promissora e muito cobiçada pelos jovens é a de desenvolvedores de aplicativos para plataformas diversas. “Há muitas possibilidades de atuação e em níveis hierárquicos diversos. O leque é bem grande. Vai depender da afinidade de cada um. Para os jovens profissionais, não adianta falar que vão ganhar muito bem, pois eles também buscam realização, prazer e bem-estar no trabalho. Querem ser responsáveis pela construção de algo e isso é o que move este segmento”, destaca o coordenador que também leciona na área, atua como consultor e ainda presta suporte para ONGs ministrando cursos.

Para que você possa ter ideia do que um curso de TI oferece, no oferecido pela Faculdade Impacta Tecnologia, o aluno conclui o curso com habilidades em Gestão, Modelagem de Processos e Tecnologia da Informação. A grade é composta de disciplinas como Comunicação Empresarial, Engenharia de Software, Gestão de Projetos, Programação para Web, Computador Sociedade e Impactos Ambientais, entre outros distribuídos em cinco semestres de aulas presenciais.  

Avante!

Se você entendeu que não precisa ser ‘o melhor do melhor do mundo’ em jogos eletrônicos, nerd ou hacker para atuar na área de Tecnologia da Informação e tem vontade de atuar neste segmento, este é o momento de buscar por um curso que ofereça opções e condições que você busca, para mergulhar de cabeça e iniciar um plano de carreira em uma das áreas mais promissoras do mercado.

Fim do conteúdo (Clique neste link para voltar ao início do conteúdo) Voltar ao topo da página (Menu principal)