Espro - Ensino Social Profissionalizante

Educa, Transforma, Inclui.

São Paulo (Matriz) Tel. 11 2504-1174

  • São Paulo (Matriz) Tel. 11 2504-1174
  • Rio de Janeiro Tel. 21 3513-6400
  • Belo Horizonte Tel. 31 3506-1900
  • Brasília Tel. 61 3226-1512
  • Curitiba Tel. 41 2107-0500
  • Recife Tel. 81 3424-8166
  • Salvador Tel. 71 3027-5023
  • Campinas Tel. 19 3722-0004
  • Porto Alegre Tel. 51 3085-5707
Início do conteúdo

29/Ago - Pesquisa americana revela: geração Y é mais vulnerável a golpes na internet

Se você é daqueles que realiza todas as operações por um dispositivo móvel e para isso utiliza senha única tome muito cuidado para não ser alvo e vítima de hackers! Segundo estudo realizado recentemente nos Estados Unidos, pela empresa Software Advice, a geração Y é a presa mais fácil de ser atingida por criminosos cibernéticos. A consultoria chegou a essa conclusão, depois de realizar pesquisa com mais de 500 pessoas que mostraram não estarem muito preocupadas com as questões de segurança, ao acessar, principalmente páginas pessoais. 

Entre as causas que os tornam vítimas fáceis, a utilização de mesma senha para acessar diversas ferramentas na internet foi apurada em 85% dos pesquisados e, 40% afirmaram acessar arquivos diversos e contas pessoais, via dispositivos móveis ou em equipamentos de trabalho. Outra informação apontada na pesquisa foi a de que cerca de 56% deles buscam por aplicativos que facilitam acesso a páginas como das redes sociais, geralmente bloqueadas em ambientes corporativos. 

A pesquisa foi realizada nos EUA, mas a vulnerabilidade está por toda a parte, uma vez  que no mundo já se somam 75 milhões de trabalhadores nascidos depois da década de 1980. Portanto, muito cuidado ao acessar principalmente contas bancárias, páginas pessoais, entre outros a partir de dispositivos que não sejam seguros. 

29/Ago - Especialista alerta para os danos causados na audição por exposição a ruídos

A cena mais vista nas ruas é de praticamente todas as pessoas com os fones nos ouvidos. Alguns dizem que é para ‘bloquear a poluição sonora’ e outros porque gostam de fazer tudo ouvindo música. Pois bem, ouvir música faz bem para a alma, já para os ouvidos alguns cuidados devem ser tomados para evitar a perda precoce ou limitação da audição. “Por causa da poluição sonora e dos muitos ruídos a que estamos expostos – trânsito, ouvir música com fones de ouvido e outras fontes de som alto – muitas vezes a perda auditiva pode começar a ocorrer antes da chegada da terceira idade, fase em que essa diminuição é até esperada”, alerta Andréa Varalta, fonoaudióloga da Direito de Ouvir Amplifon

Para garantir a capacidade de audição, até a terceira idade alguns anote algumas dicas da especialista: 

• Não introduza nenhum objeto (como chave ou palitos) no conduto auditivo, nem o limpe com bastonetes. Apenas a área externa da orelha deve ser limpa com este auxílio. A orelha expulsa a cera em excesso naturalmente e interferir nesse processo pode ser prejudicial, alerta;

• Trate gripes, otites e outras infecções até o final. O tratamento deve ser feito sempre com acompanhamento médico e nunca com soluções caseiras. Quando mal curadas, essas infecções podem levar à perda auditiva; 

• Quem se expõe a ruídos como voos em aeronaves e shows de música deve usar sempre um protetor auricular ou EPI – Equipamento de Proteção Individual. Seja essa exposição esporádica, longa ou súbita, ela pode matar a célula auditiva; 

• Controle o nível do ruído dos brinquedos para os bebês. Eles suportam a mesma intensidade de som que adultos, mas como nascem com uma audição mais aguçada, eles correm mais risco quando a intensidade sonora é maior, detalha.

• Evite frequentar piscina de água aquecida, pois ambientes assim podem conter bactérias que contaminam a orelha e causam otite.  

A especialista aconselha a procura de um especialista, assim que qualquer perda auditiva seja percebida, mesmo que pequena e independentemente da idade. “Inicialmente, pode ser que nem haja uma intervenção possível, mas essa perda precisa ser monitorada”, conclui. 

 

29/Ago - Carreira :: Saiba como destacar no currículo, as atividades que realizou como Jovem Aprendiz

Aprendizagem é experiência? 

Foi dada a largada para a corrida em busca de uma colocação e produção do currículo de estreia, mas você ainda não tem experiência no mercado? Para que um candidato consiga se destacar durante um processo seletivo, ‘a bagagem profissional’ é algo que despertará o interesse do recrutador e o colocará em posição de vantagem. Então como faz quem está iniciando a busca e só tem como experiência, a atuação com o Jovem Aprendiz? Preste atenção nas dicas da consultora Madalena Feliciano sobre como preparar um currículo destacando o que você desenvolveu no período da Aprendizagem e boa sorte! 

“Em primeiro lugar, vale lembrar que é fundamental ser objetivo, porém comercial. Afinal, o currículo é seu cartão de visita e para quem está finalizando o Programa Jovem Aprendiz é fundamental que sejam adicionadas com bastante destaque, informações referentes a experiência na empresa em que você trabalhou durante o programa”, lembra a especialista. 

Segundo ela, existe atualmente uma tendência mercadológica das empresas se interessarem por quem tem "algo a mais" no currículo como atuação voluntária em projetos sociais. “Quando um entrevistador tiver conhecimento por meio do currículo, que o jovem já realizou algum trabalho voluntário, ele pensará que o candidato se preocupa não só com sua carreira, mas também com a comunidade abrindo tempo em sua agenda para pensar nas necessidades e se dedicar aos outros”, explica Madalena. 

Durante o processo seletivo 

Se o primeiro currículo é algo que preocupa os jovens que buscam por primeira oportunidade no mercado, as entrevistas e processos seletivos em geral são as etapas em que eles devem tomar muito cuidado, principalmente na forma como se expressam, pois estará diante de um recrutador atento a todas as expressões e colocações possíveis. Madalena sempre indica a calma, acima de tudo. Mesmo sendo uma situação de muito nervosismo, deve-se tentar manter a tranquilidade para responder somente ao que foi solicitado e de maneira educada. Falar sempre de forma clara e objetiva sobre como foi a experiência de trabalhar por meio do programa Jovem Aprendiz, além de citar suas qualidades. Importante ressaltar também suas habilidades comportamentais, certamente poderá fazer diferença.

“Além de manter uma postura polida adequada durante o processo seletivo, o candidato precisa saber identificar o que é de maior importância, na sua formação profissional e pessoal. Deve destacar seus pontos positivos como habilidades com softwares e conhecimento de outros idiomas é essencial. Por fim é essencial relatar sobre como a sua experiência no Programa Jovem Aprendiz contribuiu par ao desenvolvimento de sua carreira”, conclui 

29/Ago - 28 de agosto - Dia Nacional do Voluntariado

Ser voluntário é doar e dedicar tempo para ajudar pessoas ou instituições que necessitam de apoio para trabalhar em prol de causas de interesse social e com foco na melhoria de qualidade de vida de uma ou mais comunidades. Portanto para ser um voluntário, basta olhar para o lado, que sempre terá alguém precisando de algo. Não sabe por onde começar? A internet pode ser uma grande aliada e início de tudo por facilitar a realização de pesquisas sobre organizações sociais. Bastam alguns ‘cliques’ para identificar grupos comunitários que buscam ajuda para levarem adiante projetos e atividades em prol do desenvolvimento local e inserção social de muitas pessoas. 

A atividade voluntária deve ser levada a sério, pois é inclusive regida por uma Lei, que diz em seu primeiro Artigo: Considera-se serviço voluntário, para fins desta Lei, a atividade não remunerada, prestada por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza, ou a instituição privada de fins não lucrativos, que tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social, inclusive mutualidade.

No dia 28 de agosto de 1985 foi criado no Brasil, o Dia Nacional do Voluntariado. A data, que é comemorada anualmente, foi instituída pela Lei nº 7.352 e é uma homenagem ao trabalho das pessoas que atuam como voluntárias em diversas causas no país. 

Como iniciar um trabalho voluntário

Para quem sente a necessidade em ajudar o próximo e não sabe de que forma começar, a dica é procurar um dos milhares de centros de voluntariado existentes no Brasil que oferecem inclusive, capacitação para quem quer se tornar um voluntário e ainda podem instituições sérias para o início de um trabalho. Há casos também de pessoas que têm ideias e projetos, mas não conseguem levar adiante por falta apoio. Para compartilhar projetos ou buscar meios de iniciar um trabalho voluntário é importante identificar   organizações sérias e que realmente realizam um trabalho social. Saiba aqui, quais centros estão ativos no Brasil e de que forma você pode contribuir. 

Outra forma de iniciar atividades sociais é por meio dos programas Interact e Rotaract Espro realizados com apoio do Rotary Club. Conheça um pouco do trabalho por meio das redes sociais. Faça contato, ‘arregace as mangas’ e torne-se um voluntário! 

Fanpage: https://www.facebook.com/rctespro

Blog do Club (contém as matérias com os últimos eventos e projetos): https://rotaractespro.wordpress.com/

Canal no Youtube: https://www.youtube.com/user/rctespro

 

29/Ago - Fala Aprendiz: Com o Espro eu aprendi a ter olhos para o futuro, diz Pedro

Pedro Nola é um jovem de fala tímida, porém muito firme. Aos 17 anos, ele vive sua primeira experiência profissional como Jovem Aprendiz, no Espro Recife. Morador da comunidade do Quinha, uma das mais conhecidas pelo alto índice de violência e criminalidade. Egresso da erradicação do trabalho infantil, chegou à instituição, em 2014, a partir de uma autuação da Superintendência do Trabalho e Emprego de Pernambuco - SRTE/PE, quando ele fazia distribuição de bebidas para alguns pontos comerciais na Praia de Boa Viagem. “Quando eu fui notificado pela auditora e recebi a notícia que tinham me encaminhado para fazer um curso e ainda trabalhar no Espro, eu fui correndo para aproveitar e não perder a vaga, pois eu não via a hora de ter um emprego de verdade. Vejo o Espro como uma ponte iluminada no caminho para meu futuro”, comenta. 

Assim como todos os jovens, Pedro passou pela área de Triagem e recebeu todas as orientações necessárias, antes de iniciar o Programa Jovem Aprendiz. Pedro diz ter ficado empolgado quando conheceu outros jovens que já estavam trabalhando em empresas, por encaminhamento do Espro. Segundo Marcela Toledo, gerente da filial e gestora de Pedro, o jovem tem demonstrado muita vontade de aprender, assim como de crescer profissionalmente: “Ele chegou aqui com 16 anos e muita história de vida. Trabalha diretamente comigo, cumpre com todas as obrigações e participa de todas as atividades propostas. Recentemente eu o incentivei a participar de um curso de Marketing, no Sebrae e ele tem se mostrado muito interessado em aprender mais”, comenta. Pedro frequentou recentemente, um curso de Atendimento ao Cliente, no Sebrae. Segundo ele, a capacitação fez confirmar uma vontade de se qualificar na área de Marketing, desde que tinha participado de uma palestra sobre o tema, durante o De Olho no Futuro.

Apoio Social 

Pedro disse ter procurado trabalhos informais para não cair nas tentações e se perder na rua. Os pais dele são separados e ele optou em morar com o pai para poder ajudá-lo a sair da dependência química. “Eu sempre fui muito órfão de família e por isso decidi morar com meu pai para cuidar dele. Hoje, eu tenho também o apoio do Espro que, representado por Taciana, a assistente social, tem me ajudado muito nessa questão. Ela encontrou um lugar para que meu pai possa se reabilitar e nós estamos tentando uma melhora. Então vejo que o Espro está realmente preocupado não somente em oferecer curso para os jovens, mas se importa também com a situação de nossos familiares e isso é muito bom”, comemora o jovem

“Se eu não tivesse tido a chance em ingressar no Espro, eu estaria vivendo em um mundo isolado lá no meu bairro que fica em uma área muito carente e onde vivem pessoas com mentes fechadas. Eu seria provavelmente, um servente de pedreiro e arranjaria um trabalho só para comprar as roupas de fim de ano como já fiz anteriormente. Agora, eu aprendi a ter olhos para o futuro", conclui Pedro.

 
Fim do conteúdo (Clique neste link para voltar ao início do conteúdo) Voltar ao topo da página (Menu principal)