Pesquisa revela que a pobreza menstrual atinge 47% das jovens negras e de famílias de menor renda no país

Pesquisa revela que a pobreza menstrual atinge 47% das jovens negras e de famílias de menor renda no país

Por questões financeiras, 42% das adolescentes e jovens brasileiras que menstruam utilizam um absorvente por mais tempo que o indicado. A falta de dinheiro para adquirir um protetor íntimo já foi vivida por 32% dessas pessoas. E a indisponibilidade de um absorvente já fez com que 32% delas deixassem de ir a alguma festa ou encontro, 20% perdessem um dia de aula e 11% faltassem ao trabalho.

Esses e outros dados, que dão dimensão à pobreza menstrual no país, foram obtidos através de uma pesquisa realizada no âmbito do Projeto Novo Ciclo – iniciativa do Espro (Ensino Social Profissionalizante) em parceria com a Inciclo, empresa pioneira na fabricação e venda de coletores menstruais no Brasil. O trabalho foi realizado entre os meses de setembro e outubro de 2021 por meio de um questionário online, respondido por 3.735 jovens com idade média de 19 anos, de diversos Estados do país e pertencentes a famílias com variados perfis de renda.

Segundo o levantamento, a falta de dinheiro para comprar um absorvente já levou 37% das respondentes que menstruam a utilizar algum produto substituto, como papel higiênico, panos/roupas velhas ou algodão para o cuidado íntimo. Os índices variam significativamente de acordo com renda e raça. Enquanto o índice de pessoas que afirmaram já ter recorrido a tais alternativas é de 32% entre as que se declaram brancas, ele sobe para 42% entre as autodeclaradas negras (pretas e pardas).

Os grupos mais vulneráveis

Pobreza menstrual é o nome dado à dificuldade de acesso de meninas, mulheres, homens trans e pessoas não binárias que menstruam a produtos básicos para manter uma boa higiene no período da menstruação. O estudo realizado pelo Espro e pela Inciclo permitiu identificar dois grupos de maior vulnerabilidade em relação ao tema. Um deles, mais geral: o das participantes de famílias com renda total de até um salário mínimo. Nele, 55% das jovens já usaram algum produto substituto pela falta de dinheiro para comprar um absorvente.

O segundo grupo compreende as meninas e mulheres negras (que se autodeclaram pretas ou pardas) e de famílias com renda de até dois salários mínimos. “Nesse recorte, as confirmações de improvisos devido à falta de absorventes chegam a 47%. São pessoas que tiveram menos acesso a informações e recursos para compra de produtos menstruais, o que as levou a faltar na escola e a usar produtos inadequados”, situa Alessandro Saade, superintendente executivo do Espro.

Outro dado importante colhido pelo levantamento foi o de que 54% das jovens afirmaram não ter recebido orientações antes da primeira menstruação – sendo que 10% disseram não ter sido instruídas nem depois do primeiro ciclo. Das jovens que receberam orientação em algum momento, 93% a tiveram das mães, e 33% apontaram que o papel coube a outros parentes próximos do gênero feminino. Apenas 4% apontaram o pai como orientador.

É também com as mães com que as adolescentes e jovens se sentem mais confortáveis para conversar sobre menstruação (76%), seguido por amigos/amigas (64%) e o médico/médica (51%). A fonte número 1 de informações sobre o tema é a internet (91%), com destaque para as redes sociais (47% de menções). De acordo com a pesquisa, 78% das participantes se consideram muito bem ou bem informadas sobre menstruação.

“Para combater a pobreza menstrual é preciso desmistificar a menstruação, que ainda é vista como tabu em muitas casas. Encontramos na internet a oportunidade de conexão com os jovens para prover informação e oferecer soluções práticas, como é o caso do coletor menstrual”, comenta Mariana Betioli, fundadora e CEO da Inciclo. Sobre os coletores menstruais, capazes de auxiliar no combate à pobreza menstrual, 94% das respondentes disseram já ter ouvido falar do recurso. No entanto, apenas 13% confirmaram já tê-lo utilizado. A fundadora da Inciclo explica que por ser reutilizável, durável e ter um tempo maior de uso seguro, o coletor é, para grande parte das pessoas em situação de vulnerabilidade, uma excelente opção. “Seu uso gera economia, reduz o risco de infecção e traz muito mais praticidade para os dias de menstruação, principalmente para quem passa muito tempo fora de casa”, finaliza Mariana.

Aliados informados

Adolescentes e jovens que não menstruam, incluindo homens cisgênero, mulheres transgênero e pessoas não binárias, também foram convidados a participar da pesquisa. Nesse grupo (805 questionários preenchidos), um dado negativo: apenas 32% das pessoas se sentem muito bem ou bem informadas. E um em cada cinco aliados considera-se pouco informado ou não informado sobre o tema.

Entre os aliados, 46% dos pesquisados afirmaram se sentir à vontade para falar sobre menstruação com amigos(as); 43% com namorado(a)/companheiro(a); e 41% com a mãe. Nove em cada dez pessoas desse grupo dizem buscar compreender a situação e os sentimentos de quem menstrua, e 69% já compraram alguma vez absorventes ou medicamentos para alguém em período menstrual.

Outras constatações de como esses aliados de quem menstrua estão mais conscientes de tudo o que envolve o tema, de acordo com achados da pesquisa: 93% compreendem que a sociedade deveria fornecer produtos menstruais a pessoas vulneráveis que menstruam, 84% percebem a pobreza menstrual como um problema real e 90% entendem as necessidades e respeitam as vontades da pessoa que está menstruada.

Projeto abrangente

Parceria entre o Espro e a Inciclo, o Projeto Novo Ciclo visa formar e disseminar no Brasil o conceito de dignidade menstrual. A iniciativa vai atender, anualmente, aproximadamente 15 mil aprendizes de todo o país, a maioria em situação de vulnerabilidade social, com uma capacitação sobre o tema menstruação e distribuição gratuita de coletores menstruais.

No programa, cada participante que menstrua receberá um coletor menstrual e, durante os três anos de ciclo de vida do produto, terá acompanhamento da Inciclo. A previsão é distribuir os coletores em janeiro de 2022, beneficiando 8.200 adolescentes e jovens nesta primeira etapa. Os coletores também serão distribuídos para as cerca de 400 colaboradoras do Espro em todo o país. Em 2021, o programa contou com investimento da ordem de R$ 850 mil, sendo R$ 650 mil referentes aos coletores menstruais.

Voltada a jovens entre 14 e 24 anos, a capacitação gratuita sobre menstruação e dicas de uso do coletor é feita através de oficinas, lives, podcasts e uma websérie com diversas postagens nas redes sociais e no canal do Espro no YouTube.

 

Projeto Articula realiza live em comemoração aos 21 anos da Lei de Aprendizagem

Projeto Articula realiza live em comemoração aos 21 anos da Lei de Aprendizagem

Quer conhecer mais os impactos sociais da Lei de Aprendizagem?

Então não perca, dia 16 de dezembro a partir das 15h, acompanhe ao vivo a edição especial do projeto Articula com a live “21 Anos da Lei de Aprendizagem e seus Impactos Sociais”.

O encontro, mediado por Alessandro Saade, superintendente do Espro, propõe uma reflexão sobre o cenário da socioaprendizagem, seus avanços durante as últimas duas décadas e as expectativas para 2022.

Neste bate papo, contamos com a participação de Hudson Márcio Moreschi Junior, Secretário de Assistência Social do município de Cascavel, Maria do Carmo Brant de Carvalho, conselheira do Grupo Orientador da Fundação Itaú Social e Luiz Augusto Prado Barreto, Presidente do Conselho Diretor do Espro.

Programe-se: dia 16/12, a partir das 15h com transmissão ao vivo pelo Canal EsproOficial do Youtube. Clique aqui, ative o lembrete e garanta presença nesse evento inspirador.

Nosso time de convidados é mais um motivo para garantir a sua presença. Confira:

- Mediação Alessandro Saade

Superintendente do Espro, é idealizador do Empreendedores Compulsivos e conselheiro do Comitê de Inovação da Arcelor Mittal.

- Luiz Augusto Prado Barreto, Presidente do Conselho Diretor do Espro

Presidente do Conselho Diretor do Espro, é conselheiro da Fundação Liceu Pasteur e atua há 45 anos na área jurídica.

- Maria do Carmo Brant De Carvalho

Conselheira do Grupo Orientador da Fundação Itaú Social, é Doutora em Serviço Social, exercendo o posto de Secretária Nacional de Assistência Social.

 - Sr. Hudson Márcio Moreschi Jr
Secretário de Assistência Social de Cascavel com 15 anos de experiência, foi coordenador do Programa Compra Direta da Agricultura Familiar.

Saiba mais sobre o projeto Articula

O Projeto Articula é uma iniciativa realizada pelo Espro que vem para somar forças pela garantia dos direitos dos adolescentes e jovens. A proposta potencializar e articular uma grande rede de atuação, alcançando cada vez mais pessoas e de forma mais profunda e efetiva por meio de encontros periódicos com a participação de entidades, movimento sociais e órgãos públicos que atuam em defesa dos direitos de adolescentes e jovens

Quem doa, acredita. Quem acredita, transforma.   Dia de Doar Espro. Participe!

Quem doa, acredita. Quem acredita, transforma. Dia de Doar Espro. Participe!

Por que você deveria parar o seu dia tão corrido e doar para o Espro?

Porque a sua doação é o nosso motor! Ao DOAR para o Espro você transforma a vida de milhares de adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade. Oferecendo um futuro para quem, até então, não tinha um presente.

Você fortalecerá a EDUCAÇÃO, TRANSFORMAÇÃO E INCLUSÃO abrindo a porta para milhares de jovens, não só para o mundo do trabalho, mas para uma nova realidade, mais humana e igualitária para quem tanto precisa.

E através dessa cultura de doação, tem a oportunidade de exercitar um olhar mais generoso sobre o “outro”, além de contribuir para interromper o ciclo da desigualdade, que deixa tantas vidas à margem.

Entendeu por que a sua contribuição é tão importante?

Clique e veja o que a sua participação pode fazer na vida das pessoas.

Abrace o Dia de Doar e juntos vamos alcançar mais jovens, suas famílias e comunidades.

Participe!

Clique aqui e faça a diferença!

Espro Lança Vídeo Manifesto

Espro Lança Vídeo Manifesto

Não dá pra negar que 2021 foi um ano de grandes avanços aqui no Espro. Renovamos nossa marca, ampliamos a transformação social com novos serviços e produtos e consolidamos nosso posicionamento institucional com o propósito de transformar a vida de adolescentes e jovens em todo Brasil por meio da inclusão de adolescentes e jovens no mundo do trabalho.

E para encerrar o ciclo de 2021, apresentamos nosso Vídeo Manifesto. O vídeo tem cerca de um minuto e meio e conta com a participação de verdadeiras estrelas: nossos jovens!  Nele, mostramos a experiência de transformação, onde cada espectador vivenciará a inspiração que nos impulsiona e que se reflete no propósito e na forma como transformamos a vida de milhares de adolescentes jovens por todo o Brasil.

.Educar, transformar e Incluir, esses são o nosso compromisso que nos impulsiona na conquista de um sonho de uma sociedade mais justa e igualitária. E o Espro é a ponte entre sonhar e realizar.

Curtiu? Clique e confira!

 

 

Espro é Lugares Incríveis para Trabalhar

Espro é Lugares Incríveis para Trabalhar

O Espro acaba de ser reconhecido com o prêmio Lugar Incrível para Trabalhar na categoria médio porte da premiação realizada pelo Uol e a Fundação Instituto de Administração (FIA). Sim, somos um dos 120 lugares mais incríveis para trabalhar!

A conquista representa o reconhecimento mais genuíno: a valorização do time Esprolovers aos esforços da instituição para proporcionar um ambiente saudável, agradável e produtivo, mesmo à distância como neste período de Pandemia.

A avaliação das 120 instituições premiadas ocorreu em duas etapas. Na primeira, que foi até 30 de junho, as 380 empresas inscritas no prêmio receberam um questionário sobre mais de 300 práticas de gestão, respondido pelo RH, e analisaram um conjunto de 58 frases assertivas sobre clima e cultura corporativa, em que 181.551 funcionários indicaram, em anonimato, se concordam ou discordam.

Na etapa final, especialistas apontados pela FIA realizaram uma auditoria nas empresas classificadas, checando a conformidade das informações prestadas pelo RH. Os vencedores foram anunciados hoje, 31 de agosto, durante evento organizado pela FIA e pelo UOL.

Mas, a gente sabe que essa conquista só foi possível por termos um time cheio de garra e comprometido com a transformação, não só de nossos adolescente e jovens, mas também na consolidação de um Espro cada vez mais incrível para trabalhar.

1Mio e Espro juntos para transformar

1Mio e Espro juntos para transformar

A gente sabe a importância de abrir as portas do mundo do trabalho para adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade. Mas só abrir essas portas não basta, é preciso dar confiança, iluminar os caminhos, incentivar, acompanhar o desenvolvimento e ver a transformação desses jovens acontecer de verdade.

E como fazer isso? A resposta é qualificação!

Pensando nisso, 1MIO e Espro se uniram a outras entidades para lançar uma rota de cursos gratuitos com foco total na qualificação de jovens, de 14 a 24 anos. Um roteiro educativo completo para fomentar a empregabilidade de adolescentes e jovens em diferentes níveis de experiência profissional. O nosso tema é “Como melhorar o seu trampo”.

A iniciativa é ousada, mas o plano é um só. Transformar uma geração com educação de qualidade, trabalho decente, empreendedorismo, participação cidadã e projetos de inclusão digital.

Mais do que abrir as portas para o mundo do trabalho, lutamos para que o mundo abra as portas para quem mais precisa. E dessa luta nunca vamos desistir.

Gostou?  Então clique aqui e conheça a trilha completa dos cursos.

Inscrições até 20/04!

Espro que Eu Vejo Tá ON

Espro que Eu Vejo Tá ON

O Espro está celebrando seus 42 anos de fundação e para comemorar esse momento especial, convidamos nossos adolescentes e jovens para participar da quarta edição do Espro que Eu Vejo, que neste ano chega na versão Tá ON.

Assim como nas edições anteriores, o projeto alia a criatividade e a integração dos jovens com estímulo para expressarem, de forma criativa, como o Espro impacta na transformação de suas vidas.

Tá igual, mas diferente

Isso porque, o Espro que Eu Vejo tá ON terá todo o desenvolvimento dos projetos no formato digital. E para isso, preparamos uma Página Online Interativa com um conteúdo exclusivo que irá direcionar o desenvolvimento das habilidades artísticas e criativas de nossos jovens. Tem música, fotografia, ilustração e muito mais. Tudo isso, preparado por convidados incríveis que vão inspirar, especialmente na hora de colocar a mão na massa e preparar os projetos.

Além de acompanhar todo o conteúdo, na página do Espro que Eu Vejo Tá ON ainda pode-se, entre 09 e 16 de abril, efetuar a inscrição, enviar os trabalhos e a partir de 22 de abril, conferir a Galeria de Exposição dos trabalhos selecionados.

Então Jovem Espro, não perca tempo! Prepare-se para comemorar os 42 anos do Espro. Clique aqui e participe!

Espro: 42 anos de transformação

Espro: 42 anos de transformação

O Espro celebra, hoje (26), seus 42 anos de fundação. Uma data que marca a trajetória de transformação: de mudanças na vida de milhares de jovens e suas famílias em todo o Brasil; de reinvenção da própria instituição; de impacto na sociedade por meio da educação e inclusão no mundo do trabalho.

Hoje é dia de reforçar o nosso compromisso, que é com a transformação social! E isso a gente sabe fazer direitinho: só pra se ter uma ideia, em 2020, um ano marcado pelo desemprego, formamos 21 mil aprendizes, realizamos quase 100 mil atendimentos sociais e estabelecemos parceria com cerca de 3,6 mil empresas. Além disso, 2020 foi marcado também por mudanças, realizações e renovação, tanto físicas como digitais. Tivemos a construção da nova sede, o desenvolvimento da transformação digital com a reformulação de todo conteúdo de socioaprendizagem para o EAD e a digitalização de 100% de nossos processos internos.

O Espro é assim, sempre se reinventando, prova disso está no ingresso ao Programa de Estágio, uma iniciativa que chega para consolidar nossa atuação na jornada de formação, integração e inclusão profissional de adolescentes e jovens.

Ufa, quanta coisa legal, né?!? Mas agora chegou a hora de também relembrar um pouco de como tudo começou, lá em 1979, com a união de seis unidades do Rotary Club de São Paulo, para promover a formação profissional de jovens. Por 20 anos, em uma pequena sede na Rua Tamandaré, o chamado Camp Metropolitano ofereceu a jovens o curso de Capacitação Básica para o Trabalho (CBT).

Em 2000, a instituição adotou um novo nome: Espro - Associação de Ensino Social Profissionalizante. No mesmo ano, ganhou impulso com a promulgação da Lei de Aprendizagem (10.097/00) e tornou-se a primeira ONG certificada para o Programa de Aprendizagem.

Ao longo dos anos, nós expandimos e hoje estamos presente em todas as regiões do Brasil e somos, atualmente, uma das maiores instituições do Terceiro Setor com foco na formação profissional e inserção de jovens realizando ações e atividades em parceria com empresas públicas, privadas e instituições.

Durante mais de 40 anos construímos uma história de transformação social, foram mais de 315 mil encaminhamentos e 729 mil atendimentos sociais, desempenhando um papel estratégico na formação de adolescentes e jovens em busca do primeiro emprego e, sobretudo, no desenvolvimento de cidadãos conscientes e protagonistas para a construção de uma sociedade mais inclusiva.

Espro está de cara nova!

Espro está de cara nova!

Nada melhor do que começar o ano dando uma repaginada no visual, não é? Melhor ainda se esta mudança evidenciar sua essência e valores.

É assim que o Espro começa 2021, apresentando sua nova identidade visual e afirmando o seu papel de agente transformador social por meio da inclusão no mercado de trabalho de adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade.

A nossa marca passou por uma evolução para se tornar mais contemporânea e digital. No redesenho, o mapa do Brasil foi reconstruído apresentando agora uma versão estilizada, simples e moderna. As características visuais foram mantidas, preservando a tradição de mais de quatro décadas de história.

A revitalização da identidade visual surge como parte de um amplo projeto de transformação da cultura organizacional em direção à inovação aberta e à digitalização.

O momento representa um Espro cada vez mais colaborativo e conectado com uma realidade, ágil, simples, digital.

Compartilhe:
Lei de Aprendizagem completa 20 anos e o Espro comemora seu impacto social

Lei de Aprendizagem completa 20 anos e o Espro comemora seu impacto social

Em 19 de dezembro de 2000, data em que entrou em vigência a Lei de Aprendizagem, o Brasil conquistou um avanço rumo a transformação social por meio da aprendizagem profissional, um importante instrumento que, desde sua origem até os dias de hoje, impacta positivamente no combate ao trabalho infantil, na evasão escolar e no desemprego entre jovens de 14 a 24 anos.

Para o Espro, a celebração desta data também marca seu pioneirismo na socioaprendizagem, pois se tornou a primeira instituição a ser certificada para o Programa Jovem Aprendiz, contribuindo com a capacitação profissional, a inserção no mercado de trabalho e a transformação social de milhares de adolescentes e jovens brasileiros.

Há 20 anos, a Lei de Aprendizagem é o principal caminho para o ingresso de adolescentes e jovens, entre 14 e 24 anos, no mundo do trabalho e desde sua regulamentação, em 2005, já beneficiou mais de 4 milhões de jovens com o acesso ao primeiro emprego.

A legislação estabelece uma cota de aprendizes por empresa, que varia de 5% a 15% do total de trabalhadores. No ano de 2019, foi registrada a contratação de cerca de 450 mil jovens, o maior número da série histórica, iniciada em 2006 com pouco mais 61 mil aprendizes. Mesmo assim, o dado representa pouco mais de 1% da força de trabalho dos jovens entre 14 e 24 anos.

Atualmente, o setor de serviços é o responsável pela maior parte do preenchimento de vagas com aprendizes, 4 em cada 10 jovens são contratados no setor. Mas, o Brasil ainda tem muito potencial para a aprendizagem. De acordo com levantamentos de 2018 do Ministério do Trabalho (atual Ministério da Economia) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), se o piso da cota fosse cumprido, teríamos anualmente cerca de 950 mil aprendizes ingressos ano no mundo do trabalho, chegando a 3 milhões se considerarmos o cumprimento do percentual máximo de 15%.

 

Aqui no Espro, a aprendizagem está aliada à transformação social de adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade, desempenhando um papel estratégico na formação para o primeiro emprego e, sobretudo, no desenvolvimento de cidadãos conscientes e protagonistas para a construção de uma sociedade mais inclusiva.

O legado do programa de aprendizagem do Espro é certificado no impacto positivo na vida dos nossos jovens aprendizes. De acordo com as pesquisas de empregabilidade realizadas anualmente com os aprendizes que já passaram pelo curso do Espro, 62% dos ex-aprendizes estão empregados, 28% foram efetivados pelas próprias empresas onde fizeram a aprendizagem e 48% cursam o ensino superior.

Já pelo olhar do setor produtivo, entre as mais de 3 mil empresas parceiras do Espro, 55% utilizam o programa jovem aprendiz como parte dos seus programas de responsabilidade social e a metade delas aproveita o programa como porta de entrada dos jovens para outras funções na empresa, de acordo com a Pesquisa Espro de Satisfação.

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe: