Espro - Ensino Social Profissionalizante

Educa, Transforma, Inclui.

São Paulo (Matriz) Tel. 11 2504-1174

  • São Paulo (Matriz) Tel. 11 2504-1174
  • Rio de Janeiro Tel. 21 3513-6400
  • Belo Horizonte Tel. 31 3506-1900
  • Brasília Tel. 61 3226-1512
  • Curitiba Tel. 41 2107-0500
  • Recife Tel. 81 3424-8166
  • Salvador Tel. 71 3027-5023
  • Campinas Tel. 19 3722-0004
  • Porto Alegre Tel. 51 3085-5707
Início do conteúdo

06/abr - Nova série, Esprofissa, estreia no YouTube

esprofissa

O Espro apresenta um novo projeto para oferecer inspirações de carreira e engajar jovens no mundo do trabalho. Esprofissa é uma valiosa fonte de informação para quem está na fase de escolher o futuro profissional. A primeira temporada está no ar, apresentando uma profissão diferente a cada episódio.

O convidado de estreia é um dos profissionais mais admirados do Brasil: Ricardo Boechat. Ele ficou tocado com a missão do Espro e aceitou o convite para contar tudo sobre jornalismo aos nossos jovens. Boechat compartilha sua história, oferece dicas e tira todas as dúvidas dos futuros jornalistas.

A série pode ser acompanhada no YouTube, semanalmente, às sextas. Faça já sua inscrição no canal do Espro para não perder nada e confira a playlist completa neste link.

15 de maio: Dia do Assistente Social

 

O Espro, como uma entidade beneficente, registra, no dia de hoje, seu reconhecimento aos profissionais que zelam pela nossa missão de Educar, Transformar e Incluir jovens, suas famílias e comunidades em todo o Brasil. 

Isso porque, em todo 15 de maio, comemora-se o Dia do Assistente Social. A data é comemorada em virtude do decreto 994 de 1962, quando foi regulamentada a profissão e criados os Conselhos Federal e Regionais da categoria.

 O Serviço Social é uma profissão que foi capaz de se reinventar e se reconceituar, buscando romper com o conservadorismo do seu surgimento e com o tecnicismo do seu desenvolvimento. Uma profissão que reconstruiu seus referenciais teóricos e metodológicos, analisando a sociedade capitalista, a desigualdade e a violação de direitos dela decorrentes. Uma profissão que, impulsionada pelo movimento de redemocratização do país, reescreveu seu Código de Ética, adotando valores que foram se aperfeiçoando e se tornaram princípios que, hoje, almejam alcançar, no horizonte, um projeto societário sem exploração e dominação de classe. Uma profissão que vem se transformando, ao longo dos anos, para contribuir não só no combate à desigualdade, mas também na construção de uma sociedade justa e igualitária.

Em 2017, a campanha do Conselho Federal de Serviço Social para o Dia do (a) Assistente Social tem o mote “Na luta de classes não há empate”, destacando o compromisso da categoria de assistentes sociais em defesa das liberdades democráticas e dos direitos sociais. Luta essa que teve suas pioneiras na história do Brasil há 81 anos.

“Acredito que a instituição da criação da data nos leva a reflexão do papel importante que desenvolvemos na sociedade como profissionais protagonistas na luta pela consolidação dos direitos. A frase de Maria Lucia Martinelli traduz de forma simples toda a complexidade com que desenvolvermos nossas atividades. Ela disse que ‘a nobreza de nosso ato profissional está em acolher a pessoa por inteiro, em conhecer a sua história, em saber como chegou a esta situação e como é possível construir com ela formas de superação deste quadro. Se reduzirmos a nossa prática a uma questão urgente ou de curto prazo, retiramos dela toda a sua grandeza, pois deixaremos de considerar, neste sujeito, a sua dignidade humana’”, afirma Gimena de Souza Garcia, assistente social do Espro.

A colaborada da área DDS (Desenvolvimento Social) se formou em 2000 e, desde então, exerce a profissão há 17 anos, com passagens pelas áreas organizacional, familiar, instituições prisionais, saúde e terceiro setor.

“Gostaria por meio deste espaço parabenizar a cada uma das assistentes sociais que trabalham no Espro e desenvolvem suas atividades com muito profissionalismo, competência e amor. Suas atuações contribuem para o caminhar de uma igualdade de direitos e acesso dos usuários por nós atendidos”, completa Gimena.

O Serviço Social no Espro

O compromisso de promover a inclusão social por meio da educação e, com isso, transformar vidas deve ser entendido num contexto que vai além daquele representado pela preparação de jovens para a conquista do primeiro emprego e a construção de uma carreira profissional. Como complemento importante de sua vocação principal, o Espro se vê também como um indutor de bem-estar e emancipação social. 

Para tanto, oferece uma variedade de projetos e ações que abrangem não apenas os jovens dos programas de Socioaprendizagem, mas também suas famílias e até as comunidades onde vivem. 

Tais iniciativas têm como focos, entre outros, a valorização da cidadania, o resgate da autoestima, o fortalecimento dos laços de convivência, o esclarecimento sobre direitos e a promoção da autonomia econômica, por meio de cursos e oficinas de geração de renda, capacitação profissional e estímulo ao empreendedorismo. 

Esse atendimento, de conteúdo amplo e abrangente, é realizado pela área de Desenvolvimento Social (DDS), que conta com uma equipe formada por analistas, psicólogos e assistentes sociais responsáveis por desenvolver todas as atividades Socioassistenciais e Socioeducativas do Espro, além das campanhas de conscientização direcionadas às famílias e à população. As diretrizes matriciais do DDS vêm da área Socioeducaional e todas as unidades do Espro possuem assistentes sociais dedicadas ao atendimento regional para cascatear e implementar as ações.

Dentre os principais projetos executados pelo DDS estão os programas Formação para o Mundo do Trabalho, as Oficinas de Geração de Renda e de Convivência para pais e jovens e as Entrevistas Sociais. Os profissionais do DDS ainda realizam visitas domiciliares e nas empresas parceiras e fazem o acompanhamento do desempenho dos jovens, por intermédio de orientações, encontros em sala de aula e atendimentos a solicitações diversas. Cabe a eles ainda, também identificar o nível de vulnerabilidade do público contemplado pelas ações do Espro, como forma de manter a instituição atualizada a respeito do perfil dos públicos impactados.

A área de Desenvolvimento Social encerrou o ano de 2016 com um total de 59.500 atendimentos sociais, apresentando uma evolução de 112% em relação a 2015.

Parabéns aos profissionais do Espro que desenvolvem as iniciativas que fazem com que possamos transformar – a cada dia mais –  a vida de milhares de jovens no país!

26/Mar - Espro - 35 anos transformando sonhos em realidade e construindo um país melhor

jovem-aprendiz_35 anos

Nesta quarta-feira, dia 26 de março, o Espro – Ensino Social Profissionalizante completa 35 anos de história. Durante todos estes anos  cerca de 110 mil jovens, suas famílias e comunidades tiveram suas vidas transformadas pela causa da instituição, por meio dos Programas Jovem Aprendiz,  Formação Profissional para o Mundo do Trabalho, Oficina de Geração de Renda e de Convivência.

As ações realizadas pelo Espro vão além da inserção jovem no mundo do trabalho. Os projetos sociais têm por objetivo resgatar a cidadania e aumentar a autoestima. Em 2013, o DDS – Departamento de Desenvolvimento Social do Espro atendeu 15.729 pessoas, por meio de ações sociais nas comunidades, além de jovens e familiares, que buscam melhorar a qualidade de vida, diminuir os índices de violência doméstica, aumentar a empregabilidade e o acesso a bens e serviços.
Um dos exemplos de transformação foi a Maria Carlita, mãe de Jovem Aprendiz, que fez da garagem um ponto de venda de doces e salgados. “Com tantos elogios que recebo da clientela, pretendo ampliar meu negócio. Estou muito realizada”, diz Maria, que participou do curso de Geração de Renda.

Despertar o empreendedorismo também faz parte do curso de Formação Profissional para o Mundo do Trabalho. Talita Thaís Ribeiro, do Espro Curitiba, abriu o próprio negócio com os conhecimentos adquiridos na instituição. ”Aproveitei a parte teórica que aprendi no Espro e apliquei na vendinha que eu fiz aqui em casa. Sinto-me preparada para o mundo profissional”, conta a jovem.

O Programa Jovem Aprendiz faz o jovem inserido exergar-se como cidadão, pois ele cria responsabilidades e tem a possibilidade de conviver em um ambiente corporativo. “Eu não sabia o que era trabalhar, ter responsabilidade, ética e a importância de exercer a cidadania. Com a experiência no programa Aprendiz Espro, tornei-me outra pessoa”, Mayara Viviane Souza Ladeia, Jovem Aprendiz do Banco Santander.

Uma das instituições pioneiras neste programa, o Espro conta hoje com mais de 900 empresas parceiras, que promovem o desenvolvimento profissional e pessoas de milhares de jovens. “Uma das crenças de gestão do Grupo Votorantim é a Meritocracia. Acreditamos que as pessoas são únicas e merecem ser valorizadas de forma justa e de acordo com suas entregas. Investir no desenvolvimento desses talentos é também investir em bons resultados”, Fábio Santos Sant´Anna, gerente de Desenvolvimento Humano e Organizacional da Votorantim Cimentos.

Educar, transformar e incluir os jovens, suas famílias e a comunidade têm sido a missão da instituição durante 35 anos. O objetivo desta instituição é transformar sonhos em realidade e construir um país melhor com acesso à educação, inserção no mundo do trabalho, além de estimular a cidadania com ações sociais.

Relatório Anual Espro

São mais de 22 mil jovens beneficiados com os programas proporcionados pelo Espro. Este e outros números podem ser conferidos no Relatório Anual de Atividades, elaborado dentro de um dos principais valores da instituição, que é a transparência.

Tem o objetivo de demonstrar aos seus públicos, os principais impactos da organização na sociedade, bem como as melhorias e inovações desenvolvidas.

Confira aqui todas as edições:
 
jovem aprendiz     jovem-aprendiz
 
jovemaprendiz     
 
     
 
 

06/Nov - Jovens do Espro aprendem mais sobre as profissões técnicas

O Espro – Ensino Social Profissionalizante participou de mais uma edição do Projeto Rumo – Profissões Técnicas, que aconteceu no dia 22 de outubro, nas dependências do SENAI Roberto Simonsen - unidade Brás.

projetorumo_jovemaprendiz

Com a presença do SENAC e destinada aos alunos do Espro de São Paulo, a iniciativa tem como finalidade apresentar aos jovens, de maneira educativa e prática, informações sobre as profissões técnicas existentes no mercado de trabalho e orientá-los como fazer a melhor escolha.

A abertura do evento foi realizada por Carlos Alberto Pereira Goulart, presidente do Rotary Club de São Paulo. Em seguida, o vice-presidente, Antônio Gava Neto discursou sobre a participação e importância do clube no projeto.

O evento contou ainda com três palestras: a primeira, sobre os cursos técnicos, ministrada por Núria Rodes, representante do SENAC. Já Luciana Coutinho, ex-aluna do SENAC, falou sobre empreendedorismo e Luana Bertinelli Moraes palestrou sobre o curso técnico de Desenvolvimento Profissional da instituição.

Após o bate-papo, os jovens foram divididos em dois grupos para conhecer as salas e os laboratórios do SENAI e participar das oficinas de profissões técnicas do SENAC, como Comunicação Visual & Multimídia, Comércio, Farmácia, Publicidade, Computação Gráfica, entre outras. “As palestras foram muito interativas. A gente pôde esclarecer dúvidas e saber mais detalhes de cada profissão durante as oficinas. Até hoje meus colegas e eu comentamos sobre o quanto foi significativo o Projeto Rumo para nós.”, disse o jovem Stefano Afonso Alves Valência da Formação Profissional para o Mundo do Trabalho do Espro.
jovemaprendiz_projetorumo
Esta ação foi um momento de troca entre os jovens e os palestrantes, que também orientaram sobre os locais em que estas profissões são ensinadas. Entre os temas abordados, o custo da aprendizagem, a situação do mercado de trabalho, as competências exigidas de cada área, as possibilidades de evolução na carreira e a remuneração média de mercado.

Fim do conteúdo (Clique neste link para voltar ao início do conteúdo) Voltar ao topo da página (Menu principal)